Fique atento – a redução de custos na Receita pode fazer com que muitos caiam no pente fino do INSS.

Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin
Share on whatsapp

Como me proteger do pente-fino do INSS?

Para aprovar o Orçamento Geral da União, o governo autorizou um corte enorme em diversas pastas.

Para a Previdência Social é prevista uma redução de 2,5 bilhões.

Após este pronunciamento, muitos segurados estão receosos e cheios de perguntas com relação ao seu benefício.

Estão com medo de cair no chamado pente fino do INSS

Ao contrário do programa anterior, que se limitou a benefícios por incapacidade, aposentados em geral e pessoas que recebem outros pagamentos como pensão por morte ou o Benefício de Prestação Continuada (BPC) também poderão ser convocadas.

De acordo com o governo, a intenção é combater fraudes do sistema e economizar R$ 9,8 bilhões.

O pente-fino nos benefícios do INSS vai começar pelos mais jovens e que estejam recebendo auxílio-doença ou aposentadoria por invalidez há mais tempo.

O que é o temido pente fino?

Anualmente o Instituto Nacional de Seguridade Social (INSS) realiza uma espécie de revisão em todos os benefícios concedidos.

É um método utilizado a fim de buscar alguma irregularidade ou falha na concessão do benefício.

Afinal, diariamente são realizados milhares de pedidos ao INSS.

Como errar é humano, podem ocorrer erros nessas concessões e alguns podem estar sendo pagos a pessoas que ainda estão aptas para a atividade profissional.

Outra situação encontrada diz respeito a fraudes com relação a documentos falsos ou que foram adulterados na hora da solicitação.

A operação Pente Fino vem justamente de encontro a esse propósito, achar alguma possível documentação adulterada ou até mesmo a falta de alguma, e ainda algum formulário que não foi preenchido.

Todos os beneficiados pela Previdência são avisados que estão sendo investigados e têm um tempo hábil para se defenderem.

Por isso é sempre importante manter os dados em dia para que o Instituto possa estar em comunicação direta.

Caso contrário, poderá ter o benefício suspenso e só saberá quando o fato estiver consumado.

A comunicação é feita através de pelo menos uma das seguintes formas:

  • Notificar o segurado do local para receber o dinheiro do seguro no caixa eletrônico do banco;
  • No portal “Meu INSS”; Via SMS (SMS no celular);
  • Envio no endereço cadastrado do segurado por meio de uma carta simples.

Após a notificação, o segurado terá o prazo de 30 dias para apresentar uma defesa prévia.

Esta deve conter provas de que seu benefício está correto, que não há documentos falsos ou ainda que o segurado ainda não está apto a retornar ao trabalho.

Isto pode ser feito através de exames ou laudos médicos. Benefícios que serão avaliados Dentre os benefícios que passam pelo temido Pente Fino são:

  • Auxílio Doença;
  • Auxílio Acidente;
  • Aposentadoria por Invalidez;
  • Benefício Assistencial (BPC-LOAS).

Para chegar até o segurado, a Previdëncia utilizará os dados fornecidos no cadastro Meu INSS.

O beneficiário tem 30 dias para fazer sua defesa (trabalhador rural, autônomo, agricultor familiar e segurado especial o prazo aumenta para 60 dias).

Caso este prazo expire e o órgão não tenha tido resposta, o benefício é suspenso. Portanto, esteja preparado para se defender.

As maiores irregularidades descobertas na operação Pente Fino estão relacionadas à morte de aposentados e fraudes nos certificados de vida.

Quem não será convocado?

Alguns grupos de segurados não podem perder seu benefício, mas mesmo assim devem cumprir todas as regras.

São eles:

  • Aposentados e pensionistas considerados inválidos com mais de 60 anos de idade;
  • Pessoas com mais de 55 anos de idade, que já recebam por mais de 15 anos o benefício por incapacidade (auxílio doença ou invalidez);
  • Pessoas que recebam benefício previdenciário, por serem portadoras de HIV/AIDS.

Caí no pente fino. O que fazer?

Em primeiro lugar, leia atentamente quais são os documentos solicitados pelo INSS . Reúna todos antes de realizar sua defesa, atentando para não faltar nenhum.

Se o seu caso for benefício por incapacidade, é preciso reunir todos os atestados, receitas e exames atualizados para comprovar que o segurado está, de fato, incapaz para o trabalho.

Outro fator primordial é que todos os comprovantes e documentos pessoais sejam legíveis e estejam em bom estado de conservação.

Munido de tudo isso, o próximo passo é entregar a documentação pelo Portal Meu INSS, a menos que seja convocado a apresentar os originais diretamente em uma Agência do INSS.

Acesse o portal e siga todos os procedimentos indicados pelo site para conseguir anexar toda a sua documentação.

Uma sugestão que podemos dar é solicitar o auxílio de um advogado para que acompanhe o caso e esteja preparado para reivindicar seu direito.

Fonte: Jornal Contábil

Compartilhe nas redes!

Você, caro leitor, fique à vontade em utilizar nosso conteúdo em seu blog, site e redes sociais, para isso basta citar a fonte e o site (www.menezesbonato.adv.br).

Deixe um comentário!

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *



Recomendado só para você!
INSS: nova tabela do IR muda desconto nas aposentadorias Confira…
Cresta Posts Box by CP
Open chat