Portaria institui teste de avaliação remota para fins do LOAS

Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin
Share on whatsapp

Neste artigo, você vai entender como serão feitos os testes para avaliação social do BPC-Loas de forma remota.

A portaria nº 1.328 de 12 de julho de 2021 instituiu uma experiência piloto para realização da Avaliação Social por meio de canais remotos para fins do Benefício de Prestação Continuada.

A portaria ocorre em cumprimento a decisão do Tribunal de Contas da União, o período de experiência dos atendimentos será de 26 de julho a 27 de agosto.

A Medida Cautelar foi proferida no procedimento nº 033.778/2020-5, referendada pelo Acórdão nº 2597/2020 – TCU – Plenário, nos termos do Parecer de Força Executória nº 00001/2020/DEAEX/CGU, aprovado pelo Despacho nº 00417/2020/DEAEX/CGU/AGU e pelo Despacho nº 00866/2020/GAB/CGU/AGU, deferindo pedido cautelar, com fulcro no art. 276 do Regimento Interno do TCU, a fim de determinar ao Instituto Nacional do Seguro Social que, no prazo de 15 (quinze) dias, elabore um protocolo e implemente, em caráter piloto, a realização de avaliações sociais por meio de canais remotos, com vistas ao cumprimento do art. 37 da Lei nº 8.742, de 7 de dezembro de 1993.

O objetivo é a redução da fila de espera dos pedidos de benefícios do BPC, isso porque, para ter acesso ao benefício, o cidadão é submetido a diversas fases de um processo, incluindo a avaliação social com um assistente social.

Nessa fase de testes o serviço poderá ser feito por meio do atendimento com funcionários remotos, convocados para o atendimento nesta modalidade sendo eles servidores do cargo de Assistente Social ou Analista do Seguro Social com Formação em Serviço Social.

A entrevista de avaliação social será realizada em ambiente controlado dentro das agências do INSS, por meio de uma plataforma de vídeo conferência disponibilizada pela autarquia, daí porque o requerente deverá (obrigatoriamente) estar nas dependências de uma agência do INSS.

O projeto recebe ponderações de especialistas pelo fato de exigir que o cidadão seja deslocado até uma agência da Previdência Social e ainda porque há anexo da portaria, determinação para que o cidadão requerente não esteja acompanhado na sala, no entanto, a presença de acompanhante na sala de atendimento, segundo a portaria, será permitida em casos excepcionais previstos em lei.

O projeto piloto poderá representar avanço para as medidas/ações de seguridade social.

Fonte: Contábeis

Compartilhe nas redes!

Você, caro leitor, fique à vontade em utilizar nosso conteúdo em seu blog, site e redes sociais, para isso basta citar a fonte e o site (www.menezesbonato.adv.br).

Deixe um comentário!

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *



Recomendado só para você!
É muito comum nos depararmos com situações onde algumas pessoas…
Cresta Posts Box by CP
Open chat