Veja as condições para receber os benefícios de aposentadoria e pensão por morte!

Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin
Share on whatsapp

Pensão por morte e aposentadoria: É possível receber os dois benefícios?

Há pouco tempo surgiu o caso de uma segurada que recebe a pensão por morte devido ao falecimento do companheiro desde 2010.

A particularidade se enquadra nas contribuições facultativas da cidadã junto ao Instituto Nacional do Seguro Social (INSS), resultando no questionamento sobre a possibilidade ou não em receber ambos os benefícios.

E sim, o acúmulo pode acontecer.

Definição dos valores após a Reforma da Previdência

Diante das alterações resultantes da reforma da previdência, o segurado será contemplado com o valor integral daquele benefício que oferecer mais vantagens, além de uma parcela daquele de menor valor.

Esta, por sua vez, passará por um processo de escala de reduções, para depois ser dividida por faixas de rendimento, desde que, limitadas ao salário mínimo vigente (R$ 1.045,00).

É possível acumular mais de uma pensão por morte? 

Esta é uma dúvida frequente.

Entretanto, a resposta é não.

Isso porque, a reforma tributária proibiu que haja o acúmulo de pensões por morte direcionadas ao cônjuge, filhos ou pais.

Esta possibilidade seria viável somente se o segurado viesse a óbito até um dia antes do início do período de vigência da reforma, até o dia 12 de novembro de 2019.

Neste caso, era possível acumular duas pensões por morte se, após o cônjuge falecer, o beneficiário também perdesse um filho, se ficasse comprovada a dependência financeira dele.

O filho também estaria apto a receber a pensão por morte em caso de perda da mãe e do pai.

Portanto, para os beneficiários integrados ao sistema previamente à reforma tributária, há a possibilidade de acumular as pensões.

É possível acumular duas aposentadorias do INSS?

De acordo com a regra geral, esta não é uma alternativa permitida.

Contudo, é possível que este acúmulo aconteça se cada um dos benefícios tiver sido concedido perante regimes previdenciários distintos.

É o caso de um professor que trabalha em uma instituição privada, mas também é servidor público.

Sendo assim, ele poderá se aposentar pelo INSS, bem como, pelo regime próprio de previdência do município ou estado em que executa a atividade.

Vale destacar a restrição correspondente ao aposentado que ainda trabalha.

Portanto, mesmo que ele contribua com a previdência social mediante a folha de pagamento, ele não terá direito a receber o auxílio-doença.

Fonte: Jornal Contábil

Compartilhe nas redes!

Você, caro leitor, fique à vontade em utilizar nosso conteúdo em seu blog, site e redes sociais, para isso basta citar a fonte e o site (www.menezesbonato.adv.br).

Deixe um comentário!

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *



Recomendado só para você!
Qual cidadão brasileiro não deseja viver a melhor idade, aposentado…
Cresta Posts Box by CP
Open chat