Aposentadoria 2020: como solicitar o benefício por tempo de contribuição?

Aposentadoria Por Tempo de Contribuição: Como solicitar em 2020

Você sabia que mesmo depois da reforma da previdência você ainda consegue aposentar por tempo de contribuição?

Vou te mostrar que sim!

Muitos dizem que a reforma da previdência acabou com a aposentadoria por tempo de contribuição, mas isso é somente verdade para aqueles que começaram a contribuir após a reforma trabalhista.

Quem começou a contribuir antes de 12 de novembro de 2019 ainda sim poderá aposentar por tempo de contribuição.

A primeira possibilidade de aposentadoria por tempo de contribuição e fazendo a soma de todas as contribuições no INSS até o dia 12 de novembro de 2019.

Para isso, é necessário verificar junto ao INSS todas as contribuições feitas antes da reforma previdenciária até o dia 12 de novembro de 2019.

Até aqui não interessa a sua idade, sendo o importante a contribuição por 30 anos para mulher e 35 para homens.

Se foi atingido esses anos, então você tem o direito adquirido e poder pedir a aposentadoria por tempo de contribuição, não sendo necessário passar por pedágio ou regra de transição.

Para verificar o quanto contribuiu até dia 12 de novembro de 2019, deve entrar diretamente no site do meu INSS ou baixar o aplicativo diretamente no seu celular.

Verificando que já tem o tempo de contribuição, você pode pedir a sua aposentaria que ela será concedida de imediato sem ser atingido pela reforma da previdência.

Outra opção de se aposentar sem pagar pedágio ou regra de transição mesmo após a reforma da previdência é resgatar tempo de contribuição que não esteja declarada no CNIS (cadastro Nacional de Informações sociais).

E neste cadastro que fica registrado todas as contribuições realizadas e a origem delas, se foi em empresa ou pagamento de autônomo e até período de auxilio doença.

Então, se perceber que no CNIS esta faltando alguma destas informações, deve pedir para averbar o tempo de contribuição que não esteja descrito no CNIS diretamente no INSS.

O tempo trabalhado em condições insalubres ou perigosos também ajudam a contar o tempo, o que pode muitas vezes de acontecer é que esse tempo não esteja registrado no CNIS.

Exemplo, quando trabalha recebendo algum adicional durante 10 anos esse período será transformado em 14 anos, tempo esse que lhe ajudara a computar maior tempo de contribuição.

Outra opção é a aposentadoria por tempo de contribuição, mas sofrendo com a reforma da providencia.

Esta opção é para quem estava perto para a aposentadoria, existe a regra de transição do período de 50% e 100% dependendo do caso.

Para quem falta até 2 anos, a regra de transição é de 50%.

Para quem faltava mais de 2 anos, a regra de transição é de 100%.

Então, aqui foi mostrado a aposentadoria por tempo de contribuição antes e depois da reforma previdenciária.

Na dúvida, consulte um advogado para lhe ajudar.

Fonte: Jornal Contábil

Classifique nosso post post

Compartilhe nas redes!

Você, caro leitor, fique à vontade em utilizar nosso conteúdo em seu blog, site e redes sociais, para isso basta citar a fonte e o site (www.menezesbonato.adv.br).

Deixe um comentário!

O seu endereço de e-mail não será publicado.



Recomendado só para você!
Muitas são as dúvidas e crenças quanto a revisão do…
Cresta Posts Box by CP

AVISO DE GOLPE

Logo New - Menezes Bonato Advogados Associados

Prezados clientes, informamos que tem pessoas usando indevidamente o nome do nosso escritório e até o nome dos advogados como por exemplo, se passando pela Dra. Danielle, onde o fraudário impostor está solicitando que seja feito o pagamento de algumas taxas para que seja liberado os valores do processo, a foto desta pessoa está com o logo do escritório e eles se apresentam como Dra. Danielle Ribeiro de Menezes Bonato em alguns momentos.

Informamos que não enviamos mensagem solicitando pagamentos, TED ou transferência e pedimos que caso venha ocorrer essa situação para imediatamente entrarem em contato conosco nos telefones do escritório (19) 3444-8624 / 3713-8614.

Agradecemos a compreensão.

Menezes Bonato Advogados