Será que é possível uma empresa demitir colaborador prestes a se aposentar?

Entenda como funciona o direito a estabilidade quando o trabalhador está próximo de se aposentar

Quando um trabalhador está próximo de se aposentar, é comum ficar preocupado com algumas questões. Já imaginou estar bem perto de finalmente conseguir a aposentadoria e ser mandado embora?

Sabemos que essa é uma situação delicada e que por consequência poderia acabar adiando o sonho dos trabalhadores, afinal, a busca mais lógica para a maioria das pessoas seria buscar uma nova ocupação no mercado de trabalho para garantir as contribuições restantes para a aposentadoria.

Trabalhador perto de se aposentar pode ser demitido?

Uma primeira questão que precisamos esclarecer é não haver nenhuma garantia na lei que determina que não possa haver a demissão do trabalhador que está perto de se aposentar.

No entanto, apesar disso, existem situações que dispõe sobre uma questão conhecida como estabilidade pré-aposentadoria, onde, antes da aposentadoria, o trabalhador não pode ser demitido sem justa causa.

A estabilidade pré-aposentadoria é uma garantia do cidadão que está próximo de preencher os requisitos necessários para conseguir se aposentar. Resumidamente falando uma garantia que o trabalhador deve continuar empregado.

Através dessa regra não pode ocorrer a demissão do trabalhador até que o mesmo alcance o período exigido pelo INSS para solicitar a aposentadoria. Entretanto, esse direito não está previsto por lei.

O direito à estabilidade pré-aposentadoria está nas normas sindicais previstas por acordo ou convenção coletiva de cada categoria profissional.

Quem tem direito a essa estabilidade?

Como pudemos entender, a legislação trabalhista não estabelece que o trabalhador não pode ser demitido quando está perto de pedir a aposentadoria. Essa é uma questão normalmente abordada nas normas sindicais ou acordos de convenção coletiva.

Dessa forma, podemos esclarecer que existem trabalhadores protegidos por essa regra, enquanto outros trabalhadores não. Ou seja, algumas categorias profissionais, apesar de terem suas respectivas regras, podem não garantir esse direito, pois não é uma questão formalizada.

Sendo assim, o mais importante para você assegurar esse possível direito é procurar o sindicato de sua categoria profissional para identificar se através de acordos ou convenções coletivas, você está protegido por essa regra.

Por fim, é importante lembrar que essa regra garante uma estabilidade que pode durar de 12 a 24 meses antes do preenchimento dos requisitos necessários para se aposentar. Novamente, o prazo também dependerá de acordo ou convenção coletiva.

Dessa maneira, assim que o trabalhador atinge o direito de pedir sua aposentadoria, o mesmo acaba perdendo o direito à estabilidade, ainda que não tenha realizado o pedido junto ao INSS.

PRESSIONE AQUI AGORA MESMO E FALE JÁ CONOSCO PARA MAIS INFORMAÇÕES!

Classifique nosso post post

Compartilhe nas redes!

Você, caro leitor, fique à vontade em utilizar nosso conteúdo em seu blog, site e redes sociais, para isso basta citar a fonte e o site (www.menezesbonato.adv.br).

Deixe um comentário!

O seu endereço de e-mail não será publicado.



Recomendado só para você!
Vamos compreender como ocorre a estabilidade do trabalhador que tenha…
Cresta Posts Box by CP

AVISO DE GOLPE

Logo New - Menezes Bonato Advogados Associados

Prezados clientes, informamos que tem pessoas usando indevidamente o nome do nosso escritório e até o nome dos advogados como por exemplo, se passando pela Dra. Danielle, onde o fraudário impostor está solicitando que seja feito o pagamento de algumas taxas para que seja liberado os valores do processo, a foto desta pessoa está com o logo do escritório e eles se apresentam como Dra. Danielle Ribeiro de Menezes Bonato em alguns momentos.

Informamos que não enviamos mensagem solicitando pagamentos, TED ou transferência e pedimos que caso venha ocorrer essa situação para imediatamente entrarem em contato conosco nos telefones do escritório (19) 3444-8624 / 3713-8614.

Agradecemos a compreensão.

Menezes Bonato Advogados